O excesso de peso e a obesidade tornaram-se um problema de saúde global. Segundo a Organização Mundial da Saúde, 39% dos adultos nos países da UE têm excesso de peso. Na Alemanha, mais de 50% dos adultos sofrem de excesso de peso, quase um quinto é, de acordo com o Instituto Robert Koch, actualmente considerado obeso. Isso deve-se principalmente ao estilo de vida moderno, caracterizado por baixo nível de actividade física e alimentos altamente calóricos e processados. Também fatores genéticos desempenham um papel na ocorrência de obesidade. Até à data, foram identificados cerca de cem genes (loci) relacionados com o índice de massa corporal (IMC). No entanto, o funcionamento desses genes, bem como os mecanismos biológicos por trás deles ainda são em grande parte desconhecidos. A investigação da relação entre fatores genéticos e nutrição pode esclarecer se os genes que estão ligados ao IMC desempenham um papel na nutrição.

Recomendações dietéticas individualizadas baseadas em informações genéticas (AKA Dieta do fenótipo genético) são atualmente um conceito / tendência cada vez mais popular. 

Urge fazer um parentese, para exprimir uma opinião (se bem que fundamentada em factos) do autor desta página. Independentemente da propensão genética (do facto de podermos ter ou não alguma. sequência genética que tenham eventualmente identificado com uma ou outra propensão para algum distúrbio de saúde), ainda está por comprovar a efectiva relevância de muitos dessas sequências. Existem no genoma humano muitos sequências inactivas. O facto de termos não quer dizer que se manifestem. A influência do meio, da nutrição  de inúmeros factores ambientais ou individuais podem afectar ou inibir a expressão genética. Até já se estudou a influência do “pensamento positivo”, da meditação ou da fé, nessa alteracao ou inibição genética. O próprio Mark Sisson refere isso no seu “Primal Blueprint”. 

Adiante…. 

Uma equipe da Universidade Técnica de Munique (TUM) analisou sistematicamente artigos científicos (Revisão sistemática, ver nível de evidência aqui) e chegou à seguinte conclusão:

NÃO HÁ evidências claras para o efeito de fatores genéticos sobre o consumo de calorias totais, carboidratos e gordura. De acordo com o actual estado de conhecimento, a conveniência de recomendações dietéticas baseadas em genes ainda não foi comprovada.

Pesquisa bibliográfica sistemática. A pesquisa inicial de banco de dados da equipe da TUM revelou mais de 10.000 artigos científicos preocupados com o tópico. Destes, 39 artigos foram identificados para uma relação entre fatores genéticos e consumo total de energia, carboidratos ou gordura. “Em todos os estudos, encontramos mais frequentemente o gene associado à gordura e obesidade (FTO), assim como o gene receptor de melanocortina 4 (MC4R). Há indicações de uma relação entre esses dois genes e a ingestão total de energia”, explica Christina Holzapfel, PhD, do Instituto de Medicina Nutricional da TUM. No entanto, a avaliação dos estudos não forneceu um quadro uniforme: “Há apenas evidências limitadas para a relação entre o gene FTO e baixa ingestão de energia, bem como entre o gene MC4R e aumento da ingestão de energia.” Portanto, até o momento, não existem indicações de que certos fatores genéticos estejam associados à ingestão total de calorias, carboidratos e gordura.

 

O estado actual do conhecimento ainda é muito limitado para derivar recomendações nutricionais individuais com base na informação genética, explica o pesquisador. As associações de especialistas também concordam com a última afirmação. “Estudos em humanos com fenotipagem detalhada, por exemplo, com base em uma pré-análise genética dos participantes, são necessários para determinar as interações entre fatores genéticos e dieta no peso corporal. O “Personalized Nutrition & Health” (Junior Research Group) fundado pelo Ministério da Educação e Pesquisa, e que faz parte do “cluster” de nutrição do ministério, está precisamente a trabalhar nesse tema. ”

 

 

Fontes:
Technical University of Munich (TUM).
Associations between Single Nucleotide Polymorphisms and Total Energy, Carbohydrate, and Fat Intakes: A Systematic Review
Theresa Drabsch, Jennifer Gatzemeier, Lisa Pfadenhauer, Hans Hauner, Christina Holzapfel
Publicado em Advances in Nutrition, Volume 9, Issue 4, 1 July 2018, Pages 425–453

Print Friendly, PDF & Email

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here