marmitas

Quem tem crianças sabe perfeitamente que pode ser um verdadeiro desafio a implementação de uma “dieta saudável”. Quanto mais velhos forem, mais facilmente terão as suas preferências e paladares já estabelecidos e mais difícil será “convencê-los” a mudar / aceitar bem outras opções.

Lembram-se eventualmente do esforço para convencê-los a comer cereais de manhã, quando acreditavam que essa era realmente uma opção saudável?

Como “libertá-los” desse hábito, agora que sabemos que cereais são prejudiciais (de tantas formas e feitios que se torna fastidioso enumerar :-)).. E logo agora que finalmente tinham aceite essa opção de pequeno almoço, provavelmente à custa de cereais fortemente açucarados, como são a maioria dos cereais formulados para atrair as crianças… (apresentam-se em caixas atraentes, plenas de cores vivas e frequentemente associadas às figuras e personagens que estão habituadas a ver na TV, nos seus programas favoritos. Elevado conteúdo em açucares – ou na melhor das hipóteses com edulcorantes, ou ainda o meu favorito “apenas com os açucares naturalmente presentes”, sendo que depois “naturalmente” acrescentam como ingrediente xarope de milho ou concentrados de maça, que é uma forma “natural” de acrescentar “toneladas” de açúcar / frutose…).

Como transformar os nossos “minis” em mini-paleolíticos?

Missão Impossível ou simplesmente difícil? Isso depende naturalmente das suas idades, de quão firmes estão estabelecidas as suas preferências, convicções e convenhamos…caprichos alimentares, do nosso nível de paciência e claro… da ajuda ou sabotagem dos avós 😊 que podem ser verdadeiros aliados ou fervorosos inimigos!

Vamos assim por idades…

Crianças... Baby Lead Weaning

De bebés a pré-escolar…

Se os seus filhos estão nessa idade, estão cheios de sorte! Essa é a idade ideal para conseguir realmente influenciar a sua dieta. Será o período ideal para introduzir alimentos Paleo sem qualquer resistência. Os seus gostos ainda estão por definir e “cristalizar” e são absolutamente permeáveis à vossa influência e às vossas escolhas. Estratégias como o “Baby Lead Weaning” que, de forma bastante simplificada, consiste na introdução a partir dos seis meses de idade, à alimentação complementar, aos alimentos sólidos em vez das papas. Essa estratégia deve acompanhar um regime de “amamentação em livre demanda” (o bebé deve preferencialmente ter acesso e consumir a quantidade que quiser de leite materno, o alimento mais completo e fácil de digerir). A partir dos seis meses a função renal e digestiva da criança já está mais desenvolvida e a introdução a alimentos sólidos pode ser feita.

No Baby Lead Weaning a experiência de novos alimentos é livre, sem pressões e sem “dar à boca”. A criança é encorajada a experimentar os alimentos com todos os sentidos. A experiência deve decorrer à mesa, durante as refeições da restante família, que serve simultaneamente para “vigiar“ a experiência e servir de exemplo / encorajamento. A criança deverá livremente escolher o que comer ou “experienciar”. Estimulam-se verdadeiramente todos os sentidos: Cores atraentes, cheiros diferentes, texturas… a criança vai naturalmente tanto brincar com a comida como realmente prová-la. Os alimentos devem estar à sua disposição no tabuleiro, cadeira, etc.. Estimula-se a autonomia, desenvolvimento motor e processo de mastigação do bebé.

Existem online muitos artigos e opiniões, contra e a favor. Como exemplo podem ler mais sobre este tema, em perspectivas de mães portuguesas, aqui e aqui… ou no “site oficial“…

Crianças Finger size food

Nas crianças mais velhas, que já comem alimentos sólidos como única ou principal fonte de alimento (leite materno recomendável até o mais tarde que seja possível…) mas que ainda são “vulneráveis” e estão na idade ideal para a formação de hábitos e paladares que as acompanharão até à idade adulta.

Introduza com mais frequência os alimentos que deseja que sejam a sua base alimentar e as crianças naturalmente vão antecipar esses alimentos nas refeições. Fruta e legumes podem ser introduzidos em conjunto (tomate é um fruto 😊) e as cores vivas de tomates cherry, cenouras, aipo… mirtilos, podem ser boas opções para despertar interesse e gosto por essas comidas.

O aspecto conta muito. Tanto nas marmitas / lancheiras para a escola como nos pratos, a apresentação da comida de uma forma atraente e quem sabe divertida, pode fazer toda a diferença entre a adopção ou rejeição. Cortar ovos, palitos de cenoura, tomates cherry’s de forma divertida pode tornar uma refeição “aborrecida” numa refeição desejada, com crianças bem dispostas e ansiosas pela próxima surpresa!

crianças pratos irresistíveis

Da escola primária à adolescência…

Estas são sem dúvida as idades mais difíceis e “ingratas” para a introdução de uma reeducação alimentar. Os seus gostos já se encontram razoavelmente estabelecidos e acima de tudo existe uma teimosia e uma resistência à mudança “imposta”. A “idade do armário” pode ser também difícil em termos nutricionais 😉

Possivelmente a melhor estratégia será explicar que a família resolveu mudar para uma alimentação muito mais saudável e tentar explicar que alguns alimentos como cereais, óleos e açucares refinados são extremamente nocivos. Nessa idade a “rebeldia” natural cria uma certa tendência para a “resistência” às sugestões familiares pelo que o recurso ao “Dr Google” e mostrar-lhes vídeos e/ou ler em conjunto alguns artigos acessíveis previamente selecionados, pode ser uma boa solução. Levá-los connosco às compras e pô-los a ler os rótulos (com os mais de 50 nomes para os açucares… 😉) pode ser também interessante.

Essa estratégia de demonstrar que existe “ciência” por trás dessas escolhas e não simplesmente porque “sou tua mãe e vais comer assim porque eu é que mando”, pode produzir melhores resultados. Em caso de resistência, alguma firmeza é inevitável. Afinal está a fazê-lo para o bem deles…

Inclua-os na decisão de quais alimentos serão eliminados / substituídos e permita que escolham algumas alternativas. Preveja algumas cedências, como doces em aniversários ou outras celebrações e até lá tente cativá-los com opções paleo… 😊

Opções Paleo como refeiçóes saborosas e semelhantes às que estão habituados, como um delicioso hambúrguer (sem pão ou com alternativas ao pão, como oopsies ou outros pães de frigideira), acompanhados de batatas ou mandioca fritas em azeite, em banha ou gordura de pato ou numa fritadeira a ar quente, quase sem gordura… abuse dos ovos estrelados, mexidos, com presunto ou bacon… são sucessos garantidos e facilitarão muito mais a mudança do que simplesmente tentar forçar um prato cheio de vegetais crus a cada refeição (legumes no forno ou salteados e terminados com manteiga derretida, podem ser o caminho para a adopção de legumes pelas crianças / adolescentes mais rebeldes… 😉 )

Crianças e Adolescentes no supermercado
 

Envolver as crianças e jovens no planeamento e preparação da refeição ou nas compras dos alimentos pode ser igualmente uma boa estratégia. Serem eles a escolher os legumes para si e eventualmente criar “jogos” estimulando a que pesquisem receitas e novas formas de preparar esses legumes. Muffins de ovos batidos, com recheios diversos que possam incluir bacon, queijo e legumes, é um exemplo de uma preparação fácil e divertida que pode estimular a que comam com mais prazer a sua própria “criação”.

Acima de tudo muita, mesmo muita paciência… firmeza e motivação são a “receita” para o sucesso.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here